Rastreador, localizador e bloqueador: quais são as diferenças

Preocupado em proteger seu carro ou moto, uma pessoa se depara com várias opções vendidas no mercado e convenientemente, nem sempre muito bem explicadas pelo vendedor: ratreador, localizador, bloquador, alarme…

Entender como cada uma delas funciona é importante para que você faça a escolha certa, sem pagar mais caro do que precisa ou pior, não ter como recuperar o veículo em caso de furto ou roubo.

Rastreador e localizador

Esses dois dispositivos permitem que seja identificado onde está o veículo ou pelo menos a área em que se encontra. Na grande maioria dos casos tem a tecnologia de um celular incorporada, inclusive necessitando de chip GSM para funcionarem.

Eles podem fornecer a posição do veículo das seguintes formas:



    · a maior parte dos rastreadores são receptores GPS e calculam sua posição através dos sinais emitidos pelos satélites, armazenam-na e de tempos em tempos enviam para uma central. Fornecem um posicionamento bastante preciso mas, em contrapartida, em áreas cobertas, sem vista para o céu, não funcionam tão bem;

    · já os localizadores costumam fornecer suas posições da mesma forma que os celulares para as operadoras: o sinal de um localizador é captado por pelo menos três antenas e a partir daí a central tem uma estimativa da área onde ele se encontra mas não um posicionamento preciso como o dado pelo GPS. As antenas podem ser compartilhadas com operadoras de celular, das antigas redes de “pagers” ou até mesmo próprias para isso;

    · nos dispositivos mais modernos, a posição tanto pode ser fornecida pelo sinal dos satélites GPS quanto por triangulação de antenas já que eles incorporam as duas ao mesmo tempo, de modo a superar as deficiências de cada uma delas.

    Existe muita propaganda enganosa, principalmente entre os vendedores de rastreadores, dizendo que eles enviam a posição via satélite. Raramente isso é verdade: o que acontece, na prática, é que o rastreador recebe a posição dos satélites mas a envia para a central via celular – comunicação GSM ou GPRS – incorporado dentro dele.

    Como o custo de usar um satélite é muito caro, só a partir da popularização dos celulares no Brasil é que houve um crescimento acelerado no número de veículos rastreados. Na frota de caminhões, apenas 1,2% dela era monitorada em 1998; hoje esse número passa de 20%

    O vídeo abaixo dá uma excelente descrição do funcionamento de um rastreador sem a propaganda, muitas vezes enganosa, que os vendedores fazem. Embora seja simples, seu princípio de funcionamento é o mesmo de aparelhos mais sofisticados e muito mais caros no que se refere à ratreamento.

    Funcionamento de um rastreador de carro e moto de maneira clara

    Bloqueador



One thought on “Rastreador, localizador e bloqueador: quais são as diferenças

Comments are closed.